fbpx

O controle governamental da sociedade não é apenas contrário à liberdade humana, mas também é insustentável a longo prazo.

Não pode alcançar o que pretende alcançar: o controle completo de todo e qualquer setor da vida econômica e social humana.

Toda a tentativa de controle, sempre vai provocar uma reação humana.

As pessoas acham brechas e soluções alternativas ou simplesmente inventam novas maneiras de fazer o progresso possível. Isso ocorre porque as pessoas não se deixam ser enjauladas sem resistência. Elas lutam para ser livres e muitas vezes, elas conseguem contornar o aparato do estado.

Ao longo do último século, o Estado Leviatã levou a melhor em meio a grandes períodos de turbulência, mas principalmente por meio de um milhão de pequenos “cortes” diários e graduais das liberdades humanas.

Mas, se esse processo estiver sendo revertido atualmente? E se o aparato de controle estiver sendo minado com um milhão de atos de empreendedorismo que escapam da tentativa do Estado de planejar e de comandar?

Em nosso tempo, a inovação forneceu mais ferramentas às pessoas. Há uma assimetria fundamental entre a estrutura de governo e a estrutura de um povo “conectado”. E, muitas vezes, elas usam essas ferramentas para contornar as barreiras que os políticos e os burocratas ergueram. Deparamo-nos com elas todos os dias e nem se damos conta disso.

Então não adianta combater o crime institucionalizado (estado) apenas reduzindo seus ganhos (por meio da sonegação). É preciso, ao mesmo tempo, deslegitimá-lo e arrancar a influência cultural e psico-social que ele exerce na humanidade. Isso depende da vontade de cada um de se desligar do sistema. Aqui estão algumas maneiras de você hoje mesmo ser mais livre em sua própria individualidade, contornando o autoritarismo:

  1. Airbnb: Esse serviço permite às pessoas alugar suas casas por alguns dias. Ele oferece preços competitivos, comparados aos de hotéis, e evita todo o aparato regulatório, controles de zoneamento, monopólios de sindicatos e outras barreiras de entrada. Obviamente, em alguns estados, os cartéis hoteleiros não estão felizes.
  2. Couchsurfing, hospedagem gratuita pelo mundo: Pessoas disponibilizam suas casas para viajantes se hospedarem de graça, e sabem que, quando viajarem, também encontrarão pousada. O único sistema de controle são as opiniões dos próprios usuários publicadas no site. Qualquer um pode se cadastrar. E adivinhem? Funciona muito bem.
  3. World Packers: é uma plataforma colaborativa que te conecta com anfitriões do mundo inteiro onde você pode viajar trocando suas habilidades por hospedagem. Seja para economizar na sua viagem, ter uma imersão na cultural local ou desenvolver novas habilidades, você pode utilizar a Worldpackers nas suas férias, fazer um mochilão ou até tirar um ano sabático. São hostels, pousadas, ONGs, comunidades e projetos ecológicos que você pode ajudar e receber em troca hospedagem gratuita, alimentação e outros benefícios. São mais de um milhão de viajantes e anfitriões de 170 países que fazem parte da comunidade!
  4. Uber e Arcade City: Os táxis têm as suas licenças, as quais fazem subir as tarifas. É um cartel acolhedor e bem protegido. O Uber e o Arcade City permitem contornar esse sistema, encontrando grandes corridas em carros limpos e com melhores tarifas – tudo enquanto motoristas (surpresa! não licenciados) são avaliados por sua reputação. O Arcade City é superior ao Uber por ser descentralizado, o que torna-o impossível de ser proibido pelo governo ou pelas máfia dos taxistas.
  5. SkyUber (www.skyuber.com): O Uber dos aviões. Um aplicativo que partilha de voos em todo o mundo, para a aviação geral. O SkyUber liga de uma forma concertada e segura, passageiros e pilotos, ajudando a racionalizar custos entre todos os intervenientes. Os pilotos privados partilham os seus voos para os passageiros que os pesquisam. A SkyUber só aceita pilotos certificados por um aeroclube, uma associação ou uma escola de aviação, desde que devidamente habilitadas para tal.
  6. Waze: Desviar de blitz e polícias e lombadas eletrônicas utilizando o app, nunca foi tão fácil.
  7. Velocidade: Até certo ponto, ninguém mais se importava em dirigir a 55 milhas por hora (88 km/h) (não somente Sammy Hagar). As pessoas em massa dirigiam acima disso até que o Congresso decidiu deixar aos estados a definição dos limites de velocidade — maiores. É um caso paradigmático: as pessoas desobedeceram a lei até que ela fosse mudada.
  8. ADA – Consultas médicas grátis por meio de Inteligência Artificial: Se você ou alguém que você gosta está se sentindo mal, a Ada pode ajudar. A cada 3 segundos, um dos 3 milhões de usuários da Ada conclui uma avaliação de saúde. Mais de 90.000 deram a Ada uma classificação de 5 estrelas. As avaliações de Ada são realizadas por software IA (inteligência artificial), médicos e cientistas altamente qualificados e dão acesso a uma Biblioteca de Condições que contém milhares de condições – do resfriado comum a doenças raras, quebrando com a máfia e o cartel das consultas médicas caríssimas.
  9. Turismo médico: Já há algum tempo, as pessoas têm levado os seus problemas médicos para outros países que oferecem um tratamento comparável de forma mais barata e sem toda a burocracia. De fato, as pessoas costumavam sair do Canadá para obter tratamento que eles não podiam terra do tratamento de saúde “gratuito”. Algumas pessoas estão deixando o país para obter tratamentos alternativos que a ANVISA não libera.
  10. Empréstimos de Pessoas para Pessoas (P2P): A Mutual deixa as pessoas evitarem os grandes bancos e financiarem em conjunto, como credores e tomadores de empréstimos. Onde há comunicação, há negócios sendo fechados.
  11. Bitcoin: O governo arruinou o dinheiro há muito tempo inflacionando e fraudando-o. O mercado produziu uma cripto-moeda descentralizada, deflacionária, anônima e livre para usuários finais. Isso pode significar a morte do euro, do dólar e de outras moedas fiduciárias. As implicações são impressionantes e inspiradoras.
  12. Bisq: É um aplicativo que possui uma plataforma P2P, open source que funciona de maneira semelhante ao Bitcoin (de forma descentralizada), que te permite comprar e vender criptomoedas de uma forma completamente privada, anônima e sem nenhum intermediário.
  13. Use cartões de débito bitcoin: Você pode comprar o pão na esquina usando bitcoins. Bem vindo à formalidade da informalidade: ANX:http://anxbtc.com/?lang=pt_br | Xapo: http://xapo.com/pt/ | Bitcointoyou (brasileiro): http://goo.gl/UETTcV| Neteller:http://www.neteller.com | Gyft: http://www.gyft.com | Advcash:http://goo.gl/ylWZjX
  14. Transferwise (http://transferwise.com): Faça câmbios de moeda arbitrariamente grandes sem declarar NADA para a receita e sem pagar NADA de impostos, pois o dinheiro não passa por bancos. Resumindo: Você quer comprar euros e manda dólares para eles; daí eles encontram alguém querendo a troca no sentido oposto e fazem o pareamento. Naturalmente, eles mantém reservas para quando o pareamento não for possível e, claro está, a manutenção da reserva influi nos custos da transação. Somando-se a isso os custos da administração do app, obtemos um preço dez vezes menor que o dos bancos e sem regulação alguma.
  15. Bliive: É um site que acredita na colaboração como forma de revolucionar a ideia de valor, aproximando pessoas através do compartilhamento de experiências. Cada minuto de troca de conhecimentos é contabilizado e revertido em moeda virtual, que pode ser usada a qualquer momento.
  16. Bitmessage: Quer fugir do estado de vigilância? Bitmessage é a última novidade em comunicações criptografadas, prestes a substituir e-mail. Mais alguns ajustes na interface do usuário e estará pronto para uso.
  17. Protonmail: O processo de destruição dos Correios como um fornecedor monopolista de correspondências é praticamente um negócio feito. Demorou 20 anos, mas agora o e-mail é o correio de primeira classe. Enquanto isso, o serviço do governo perde bilhões a cada ano. Tal provedor moribundo poderia sobreviver por décadas como um monopólio subsidiado por impostos. Mas o mercado segue em frente. No protonmail, as mensagens são armazenadas em um formato encriptado. São também transmitidas em formato encriptado entre nossos servidores e os dispositivos do utilizador. As mensagens entre utilizadores do ProtonMail também são transmitidas em formato encriptado dentro da rede de servidores seguros. O risco de interceção das mensagens é em grande parte eliminado devido à criptografia que é aplicada em todas as etapas, o que deixa o governo incapaz de fazer alguma coisa.
  18. Storj: Se a preocupação é segurança e confidencialidade de seu armazenamento de dados na nuvem, sem censura, não monitorizada e sem quebras, é melhor ir dizendo adeus à Dropbox e outros serviços de armazenamento na nuvem. O futuro está na tecnologia descentralizada. O projeto Storj garante segurança, confidencialidade e rapidez. Esta plataforma usa a tecnologia do blockchain, tal qual o bitcoin, como livro de transações, com chaves de encriptação públicas e privadas e funções criptográficas de segurança.
  19. Educação privada/domiciliar e homeschooling: Se você não gosta das escolas governamentais, tire suas crianças de lá. Milhões de famílias estão fazendo isso. Algumas estão formando cooperativas virtuais e obtendo conteúdo de fontes online. O grupo no facebook Home Schooling Brasil tem muita informação sobre.
  20. Educação online de graça: Você está em busca de uma verdadeira educação ou de um sistema que te dá um diploma? Esses sites estão reduzindo os custos da educação — longe das guildas infladas da educação superior e dos campos de doutrinação que usam dinheiro de impostos. “Mas sem o governo, quem forneceria serviços de educação de graça?” Reposta: Khan Academy, Harvard Online Learning, Google Scholar, Microsoft Academy, Learncafe, Primecursos, Skillshare, Livros em PDF do Portal Libertarianismo, Video-aulas do YouTube, Milhões de verbetes do Wikipedia, Duolingo, Pesquisas no Google e Codecademy: todos de graça. Custo de educação diária: R$ 0. Custo de Impostos: R$ 0. Doutrinação ideológica: 0%.
  21. Impressão 3-D: Não só as pessoas contornarão as restrições inconstitucionais às armas (como Cody Wilson contornou), mas as pessoas poderão ignorar as patentes e regulamentos legais ao imprimir seus próprios chuveiros de alto fluxo. Quando todo mundo é um fabricante, ninguém é regulamentado. Veja aqui uma playlist que ensina a fabricar uma calibre 12 com uma impressora 3D e alguns canos de metal. Clique aqui para acessar o GitHub do Projeto.
  22. Geração privada de energia: Grandes empresas como o Google estão cansadas de lidar com empresas regulamentadas e estatais. Eles temem falhas de fornecimento e precisam de energia elétrica mais confiável. É por isso que estão gerando a sua própria energia elétrica. Há apenas alguns anos, apenas alguns caras ricos usavam telefones celulares. Então o mercado arruma formas mais baratas de fornecer esse serviço e a inovação passa a acontecer. Então, o preço cai e a qualidade sobe. A Lei de Moore faz efeito. Hoje essa tendência desafia a rede estatal de fornecimento de energia elétrica, possibilitando as pessoas gerarem a sua própria energia, por meio de placas solares, mini-hidroelétricas, e geradores eólicos.
  23. Agora Drugs: Este site anônimo permite que você use moeda criptografada para comprar substâncias ilícitas (drogas ilegais), incluindo medicamentos e alimentos ainda não aprovados pelo FDA. Você pode achar isso alarmante, mas considere: o site traz uma bela paz a um mercado que não para, o qual o governo tornou violento e mortal. 
  24. Regras de direitos autorais do YouTube: elas eram simples, mas como o remix, a paródia e as cópias evoluem, as exceções aos direitos autorais estão crescendo absurdamente. Agora, um vídeo do Daniel Fraga lançado por alguém que replicou os seus vídeos censurados, ao nascer do sol é copiado 1.000 vezes antes de anoitecer. Com efeito, o cenário inicialmente imaginado de direitos autorais – no qual o  governo confere a qualidade de monopólio sobre cada obra e arte – está morrendo diante de nossos olhos.
  25. Cooperativas de saúde: Não são apenas as organizações cristãs que criam cooperativas para ajuda mútua. Esses grupos cobrem os custos catastróficos de saúde para os seus membros, ignorando – por enquanto – as grandes companhias de seguro e o aparato regulatório do governo. (Veja também esta iniciativa cristã de ajuda mútua com custos de saúde.)
  26. O movimento do leite cru: O governo tentou por décadas suprimir esta bebida não pasteurizada, mas os fãs não serão impedidos. Clubes de compradores estão em toda parte. Quanto mais os agentes federais reprimem, mais a demanda pelo produto cresce.
  27. Arbitragem e julgamentos judiciais privados: Se você tem uma disputa com alguém, o ultimo lugar em que você quer parar é no matagal do sistema judiciário do governo. As pessoas estão optando pela arbitragem privada. A arbitragem privada pode não ser nenhuma novidade, mas a sua confiabilidade é. Há zilhões de árbitros reais. De modo online, hoje o site Judge.me está morto, mas o Net-Arb ainda funciona. Fique ligado.
  28. Recebimento garantido (Mercado Pago): Como você garante que irá receber pelo que você pagou na internet? O Mercado Pago está feliz em reter o pagamento e verificar a transação antes de satisfazer os dois lados com o resultado.
  29. TOR/Deep Web: Esse navegador para a web criptografada rejeita seu endereço originário de IP por todo o planeta. Desse modo você pode surfar anonimamente —i.e., longe dos olhos da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA). (O que é um cypherpunk?)
  30. Publicação Universal e Anônima: Em um ponto, algumas pessoas mantiveram as condutas primárias de informação. Blogging e publicação na Web tornam mais fácil a auto expressão. A censura tornou-se quase impossível. Os jornais estão finalmente demarcando seus territórios online. Mas eles estão perdendo o controle das condutas primárias de informação. O Telegra.ph é um site onde você consegue publicar um texto ou informação de forma completamente anônima, onde o link fica disponível publicamente.
  31. Morte das receitas: Você pode comprar seus remédios de forma barata na internet usando o Marketplace do Facebook. Não há necessidade de pagar pra conseguir uma receita, e sustentar a Indústria Médica e Farmacêutica. A internet já corta intermediários e consegue dar diagnósticos por meio de Inteligência Artificial, e em alguns anos, receitas médicas e burocracias vão se tornar obsoletas.
  32. Maconha medicinal/descriminalização: Os estados estão relaxando suas proibições sobre a maconha. Está se tornando cada vez mais claro que a guerra contra as drogas está perdida e que algumas drogas, como a maconha, têm valor terapêutico real. Independentemente disso, a proibição é uma missão de tolos e medidas punitivas são cada vez mais vistas como cruéis e desnecessárias. Mesmo se as repressões continuarem, estes são os primeiros sinais de obsolescência da guerra às drogas e da oposição popular.
  33. Expatriação: Às vezes, se você não gosta do lugar que vive e você só quer que sair. É fácil encontrar lugares melhores, seja em razão do clima, impostos ou cultura. Embora esse número ainda esteja apenas na casa dos milhares, a opção de ir embora está aí e cada vez mais pessoas estão se aproveitando dela do que nunca.
  34. Cidades privadas startups: As pessoas nos países em desenvolvimento estão começando a entender que os países ricos são ricos por uma razão: livre mercado. Então, os países pobres estão começando a importar boas práticas de livre comércio, ou estão se “rezoneando” para a prosperidade, criando cidades privadas e independentes.
  35. Seasteading (habitações permanentes no mar): Blueseed é um dos primeiros exemplos de empreendimento que levarão as pessoas para o mar em busca de oportunidade e de um conjunto superior de regras. O Seasteading Institute também trabalhou com sucesso com uma empresa holandesa para projetar os primeiros módulos Seasteading. Quanto mais o Estado impõe impostos e regulações, mais viável é para o mar se tornar o lugar para viver e fazer negócios.
  36. Cooperativas de mercado de agricultores / hortas urbanas: Nas cooperativas de mercado de agricultores há pessoas trocando bens em espécie. As pessoas trocam e contribuem com seu trabalho fora dos auspícios do governo. Além disso, as pessoas nas grandes cidades estão cultivando os seus próprios alimentos – livres do estado. (Aqui vai uma dica!)
  37. Segurança privada de bairro: Confira aplicativos como o Peacekeeper. É apenas um exemplo das maneiras pelas quais as comunidades locais podem reduzir o custo de segurança e serviços de emergência – e mantê-los localmente.
  38. Mercado de Trocas e Parcerias: Se você tem um negócio, você sabe como é. Você pode trocar bens ou serviços diretamente ao invés de ganhar dinheiro. Você doa o tempo de programação, eu vou lhe dar um espaço de propaganda no meu site da web. Você promove o meu produto, eu promovo o seu. Se o dinheiro não muda de mãos, você pode evitar todos os tipos de problemas com o governo. O mercado de trocas tornou-se uma resposta natural ao cobrador de impostos.
  39. Crowdfunding /financiamento conjunto via web (Catarse, KickStarter, vaquinhasocial, apoia.se, Vakinha): Se você precisa de dinheiro para iniciar um negócio, pra fazer caridade social, seja o que for, você pode contornar a tigela virtual para implorar por dinheiro. Mas não pode ser apenas com qualquer coisa velha. Você tem que convencer a multidão a abrir mão dos seus recursos. Mas essa pode ser uma barreira bem menor a ser ultrapassada do que prender a atenção de investidores de risco ou pedir um financiamento no seu banco que foi resgatado pelo governo.
  40. Empreendedorismo social: Artemisa. O Estado de bem-estar social tende a tornar as pessoas suplicantes dependentes. A ajuda externa também. Mas empreendedores com causas sociais estão criando melhores formas de ajudar os pobres, desde micro finanças ao retorno das sociedades de ajuda mútua, como as cooperativas de saúde cristas citadas acima. O setor de empreendedorismo social está desfrutando um renascimento permitido pela tecnologia apesar do Estado. (Ver também jovens empreendedores sociais.)
  41. Clubes de ceias: Os foodies (ou especialistas em comidas) do underground estão visitando chefs e grandes cozinheiros fora dos auspícios das babás da saúde pública. Toda casa é um restaurante, toda cozinha é uma recebedora de renda. Clubes de ceias similares se espalharam por Chicago quando os vereadores daquela cidade baniram o foie gras (uma proibição que eventualmente foi derrubada graças à pressão popular, desobediência civil e interesses especiais que foram contrariados).
  42. Organizações auto gerenciáveis (http://goo.gl/kvBsKD): Empresas que mostram que você não precisa de hierarquias formais — “chefes” — para que uma organização funcione bem. Essas empresas podem nos ensinar que o mundo também não precisa de chefes. A automatização também ajuda muito.
  43. Câmeras de telefones: Uma arma poderosa contra o estado está provavelmente no seu bolso agora. Eles mantêm os policiais responsáveis por seus atos por meio da “eterna vigilância” proporcionada pela tecnologia. Quanto mais as pessoas se manifestarem diante da intimidação (ou simplesmente filmarem a partir dos seus celulares), melhor.
  44. Compartilhamento de arquivos Peer-to-Peer (The Piratebay): A sobrevivência e persistência do compartilhamento de arquivo por meio dos “torrents” mostra que a desobediência civil em face de monopólios intelectuais está viva e bem, apesar de uma guerra de 20 anos contra a prática. Quanto mais os monopolistas lutam, mais os compartilhadores de arquivos ganham. Difunda a pirataria.
  45. Planejamento Fiscal (Evasão, elisão e elusão tributária): Os geradores de valor estão cansados de ter seus lucros roubados por pessoas com as armas e as prisões. A Apple, por exemplo, utiliza um planejamento fiscal multinacional tão complicado que meros mortais não conseguem entendê-lo. O resultado: capital extra para tornar o iPhone ainda mais desejado. Os políticos lamentam, mas os consumidores aplaudem. Não declarar renda ao estado, engane-o sempre que possível. (Apenas quando você imaginava que as leis suíças sobre sigilo estavam acabadas, não há dúvida de que as pessoas inteligentes vão encontrar novas maneiras de esconder seu capital do estado.)
  46. Offshoring e inshoring: Às vezes os impostos sobre as empresas, controles de sindicatos e o controle regulatório são simplesmente insuportáveis. As corporações levam sua produção para outros lugares (estados e ou países) longe de altos impostos e cartéis de sindicatos. Veja como abrir uma conta no exterior aqui.
  47. Carrinhos de comida de rua/Food Truck: restaurantes adoram regulamentações, porque eles podem pressionar seus concorrentes. É por isso que as cidades que toleram a cultura dos carrinhos de comida de rua estão dando a esses restaurantes uma competição dura. Se você aguenta comer seus tacos em um banco de parque, pode valer a pena ir a um trailer de comida — a última novidade em micro empreendedorismo. Eles estão muitas vezes na vanguarda da experimentação e variedade.
  48. Redes sociais e Skype: Milhões de pessoas de todo o mundo estão interagindo como se fossem vizinhos de porta. Sutilmente, isso apaga as fronteiras criadas pelos estados-nação e cria um mundo muito mais cosmopolita — um que expõe a arbitrariedade de jurisdições nos lugares nos quais você pode estar vivendo, ou por sorte, não ter nascido nele.
  49. Carros sem condutor: A tecnologia está aí. Ela certamente muda o cálculo para motoristas distraídos ou embriagados, e corrige os problemas com vias públicas que o estado não vai resolver. Carros sem condutores nos darão viagens seguras e automatizadas e negará ao estado os recursos que recolhe ao chatear as pessoas tanto por grandes e pequenas infrações que resultam da má infraestrutura, erro humano e julgamento fraco. Bastará uma ou duas áreas do mundo para implantá-las com sucesso para desencadear a mudança.
  50. Não seja enganado pelo estado: Não acredite em nenhuma informação vinda de fontes governistas/chapa branca. Principalmente sobre os dados divulgados sobre inflação. O estado quer te enganar e ao mesmo tempo tirar seu dinheiro e liberdades.
  51. Não votar: Não vote, você estará fortalecendo a armadilha da democracia, legitimando o estado e seus crimes. No Brasil se você ficar 3 eleições sem votar, o seu título de eleitor é cancelado.
  52. Não se filie a partidos políticos: A esperança ou objetivo de “mudar por dentro” é apenas uma maneira de você apoiar a democracia, fortalecer o sistema e legitimar o crime.
  53. Não utilizar serviços de entregas estatais. Enfraqueça o monopólio de correios e entregas estatais, use serviços de entrega privados, como as transportadoras.
  54. Não servir às Forças Armadas. A lei Nº 8.239, DE 4 DE OUTUBRO DE 1991 que regulamenta o art. 143, §§ 1º e 2º da Constituição Federal, dispõem sobre a prestação de Serviço Alternativo ao Serviço Militar Obrigatório: § 1º Ao Estado-Maior das Forças Armadas compete, na forma da lei e em coordenação com os Ministérios Militares, atribuir Serviço Alternativo aos que, em tempo de paz, após alistados, alegarem imperativo de consciência decorrente de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, para se eximirem de atividades de caráter essencialmente militar.
  55. Subornar agentes estatais: Suborne os guardas, fiscais e agentes governistas.
  56. Carros sem IPVA: A idéia é ter um automóvel isento de IPVA, e adaptá-lo às suas necessidades, geralmente carros mais antigos são isentos de impostos, pode também ter um carro convertido à motor elétrico com baterias, gera uma economia maior à médio e longo prazo.
  57. Produtos e serviços livres: Ofereça e compre produtos e serviços sem regulação e ou tributos. Faça compras em estabelecimentos que não emitam nota fiscal, não emita e nem exija notas fiscais. Estimule o contrabando e o mercado negro.
  58. Salário sem regulações e livre de impostos/Freelancer: Negocie com seu patrão/funcionário um valor salarial sem registro legal.
  59. Não abasteça em postos de bandeira estatal.
  60. Não tenha contas em bancos estatais: Não contribua para o fortalecimento estatal via bancos como os da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil.
  61. Empreenda: Sempre! Sites de e-commerce gratuitos ajudam a você vender o seu produto e ou serviço sem precisar de nenhuma burocracia ou pagar programador para tal: www.buydise.com
  62. Compre/Alugue imóveis que não tenham registro, e mantenha-os assim.
  63. Conservação Privada: Você pode ser um ambientalista sem tem que protestar para ver terras imaculadas dadas ao Estado para a gestão do contribuinte. Grupos como The Nature Conservancy e Ducks Unlimited fazem grandes coisas quando não entregam terras ao Estado. E os particulares estão optando por conservar a terra, em vez de vendê-las.
  64. Contrate um seguro privado para si e para sua família.
  65. Desconfie de todo funcionário público.
  66. Não participe de jogos de loterias estatais.
  67. Se necessário for, falsifique documentos para driblar a coerção estatal.
  68. Pare de usar os serviços do estado onde há concorrência com o setor privado, onde não há concorrência tente substituí-la de forma criativa, pratique a desobediência civil.
  69. Fuja do IPTU: Cada município tem sua lei sobre cobrança de IPTU, pesquisando sobre, descobri que na cidade do Rio de Janeiro, imóveis que tem um anexo funcionando como biblioteca pública, não paga IPTU, existem várias outras formas de ser isento da taxa na cidade carioca: http://goo.gl/KyF6yJ . Pesquise a lei municipal de sua cidade para saber como escapar através de elisão fiscal de mais esse tributo.
  70. Escreva estado sempre com letra minúscula. Se povo, sociedade, indivíduo, pessoa, liberdade, instituições e justiça são escritas com minúscula, não há razão para escrever estado com maiúscula. A justificativa de que a maiúscula tem o objetivo de diferenciar a acepção em questão da acepção de “condição” ou “situação” não convence. São raros os vocábulos que somente possuem um único significado, e ainda assim o contexto permite a compreensão e diferenciação dos significados. Considere que grafar estado é uma pequena contribuição para a demolição da noção disfuncional de que o estado é uma entidade que está acima dos indivíduos.
  71. Revoluções do Twitter: Está tendo problemas com um ditador sem valor ou religiosos que acreditam na religião mais perigosa de todos? (estatismo)? Organize-se, proteste e derrube-o com o Twitter — #derrube. (Mas tome cuidado de não acabar instalando um regime pior do que aquele que você ajudou a derrubar.)
  72. Ambientes imersivos: Estamos no processo de criação da Matrix que nos rodeia. Do Second Life para jogos imersivos, poderemos ver em breve as ligações entre o mundo virtual e a economia criptografada que resultam em novas formas interessantes de ordem.
  73. Azamerica: Tenha esse aparelho em casa e não pague fatura de TV a cabo, é um receptor produzido na China capaz de descriptografar o sinal dos satélites da Claro, Oi, Vivo, Sky e entre tantos outros, inclusive estrangeiros. Custa em torno de R$ 400, normalmente técnicos cobram R$ 600,00 pela a instalação completa, mas tem modelos mais novos que já vem configurado, é só instalar os cabos e assistir. O aparelho vende no Paraguai, em camelódromos e pela internet, dizem que esse site (http://ribeiroshop.com.br) é uma das melhores lojas da net para esse produto, segundo quem indicou o Azamerica para a postagem. (Lembrando que quem defende propriedade intelectual tem o bumbum guloso).
  74. Tails (http://tails.boum.org/): É um sistema operacional live, que você pode usar em quase qualquer computador a partir de um DVD, de uma memória USB ou de um cartão SD. Ele tem como objetivo preservar sua privacidade e seu anonimato, e te auxilia a usar a Internet de forma anônima e evitar censura.
  75. Como fazer a secessão agora mesmo?: Todos nós podemos desempenhar um papel na evolução ascendente fazendo tudo que está em nosso poder para retirar nosso consentimento do estado.
  76. Separe-se por isolamento intelectual. Converse com sua família, seus vizinhos e seus amigos de mesma opinião — sejam físicos ou virtuais — para espalhar a liberdade e cultivar relacionamentos e alianças. O estado prefere nos manter atomizados, sem uma estrutura familiar ou uma rede social.
  77. Separe-se da dependência. Se torne o mais autossuficiente possível no que diz respeito a comida, água, combustível, dinheiro, armas de fogo e segurança privada da sua propriedade. Resista a confiar no governo em eventos como desastres naturais, crises bancárias ou semelhantes.
  78. Separe-se da grande mídia, que promove o estado em milhões de formas diferentes. Fuja do Cable, fuja da CNN, fuja dos grandes jornais e encontre sua própria fonte de informação nessa época de internet. Tire proveito deste luxo de que gerações anteriores não desfrutaram.
  79. Separe-se do controle estatal de suas crianças por meio do homeschooling ou por meio do unschooling.
  80. Separe-se da faculdade rejeitando a grande academia e de sua armadilha de empréstimo ao estudante. Se eduque usando plataformas de conhecimento online, obtendo credenciais técnicas, ou simplesmente lendo o tanto que puder.
  81. Separe-se do dólar americano mantendo seus próprios metais preciosos, mantendo ativos titulados em moedas estrangeiras e outros ativos no exterior.
  82. Separe-se do imposto federal e regimes regulatórios, organizando seus negócios e finanças pessoais para serem mais eficientes e discretos o possível.
  83. Separe-se do sistema jurídico protegendo legalmente seus ativos de ações judiciais de rapina e de tribunais de inventário, o tanto que for possível.
  84. Separe-se da balbúrdia do sistema de saúde público, mantendo o controle da sua saúde e questionando a medicina ortodoxa.
  85. Separe-se do seu estado se movendo para outro país com melhores taxas de imposto e ambientes regulatórios, com leis melhores para fazer homeschooling, com melhores leis armamentistas, ou somente um com mais pessoas livres de cabeça aberta.
  86. Separe-se da incerteza política do Brasil obtendo um segundo passaporte.
  87. Separe-se da mentalidade de que o governo é todo-poderoso ou um oponente muito formidável para ser vencido. O estado é nada mais que a grande ficção de Bastiat, ou a gangue de ladrões em grande escala de Murray Rothbard. Não vamos dar-lhe o poder de nos deixar infelizes ou pessimistas.
  88. Apoie e divulgue incessantemente os Canais Libertários no YouTube.
  89. Todos nós, independentemente da inclinação ideológica e independentemente de sabermos ou não, somos casados com um pródigo abusivo e muito violento. É tempo, senhoras e senhores, de nos divorciarmos da capital Brasília.Vivemos na Idade Conectada, nessa época atual, muita coisa interessante está começando a acontecer — a mais interessante é a crescente obsolescência do estado e a necessidade de descentralização das coisas. O estado não sabe de nada que não sabemos, e a única coisa que ele pode fazer que não podemos é forçar a todos, com uma arma, a financiar seus caprichos. Nosso conhecimento é “fundado na multidão”, e nunca paramos de aprender uns com os outros. Estamos integrados como em uma cidade global que se autogoverna.Algumas pessoas estão começando a ver que as circunstâncias do nascimento e da cultura são contingentes e as linhas estão se esvaecendo. As fronteiras nacionais estão menos ligadas às pessoas dentro delas. E se o estado continuar tentando retirar as liberdades das pessoas, então surgirão mais maneiras de se driblar a coerção estatal. Este é o nosso presente. Este é o nosso futuro.
  90. Crie suas maneiras de se livrar do estado, seja criativo!

Obs.: Se você souber de outras maneiras de fugir/anular o estado, comente nesse post para que possamos ir editando ele e ir acrescentando ideias novas.

AdBit.biz

Deixe seu comentário: