fbpx

Seis semanas atrás, quando milhares de pessoas em todo o país foram às ruas para protestar contra os abusos dos direitos humanos infligidos por “ordens de ficar em casa”, os apoiadores da quarentena reagiram com indignação altiva.

Declarando que os manifestantes são “covidiotas” que não aceitaram a virtude e a necessidade das quarentenas impostas pela polícia, a mídia e os defensores dessas quarentenas nas mídias sociais declararam que os protestos causariam surtos de doenças, e enfermeiras declararam que os protestos eram “um tapa na cara” daqueles que tentam tratar a doença. Uma charge política mostrava a imagem de uma enfermeira de pronto-socorro dizendo “nos encontramos em breve” para manifestantes anti-quarentena.

Agora, com um número muito maior de manifestantes reunidos em grupos maiores, não ouvimos nenhum nobre moralismo vindo da mídia ou entusiastas da quarentena nas mídias sociais. Sim, ainda existem algumas tentativas simbólicas de expressar preocupação sobre como os distúrbios e protestos dos últimos dias podem espalhar a doença. Mas o tom é bem diferente. A preocupação com o COVID-19 agora está redigida na fórmula de “se você protestar, tome essas medidas para minimizar o risco“. É tudo muito educado e dócil para os manifestantes.

Políticos como Kamala Harris até se juntaram aos manifestantes nas ruas, fazendo o que ela exigia que outros evitassem apenas algumas semanas antes. Onde estão as enfermeiras denunciando esses protestos como um “tapa na cara”? Elas não estão em lugar nenhum.

É claro que aqueles que apoiam os protestos atuais, mas se opõem aos protestos do mês passado, afirmam que não há equivalência. Muitos provavelmente diriam “agora estamos protestando contra pessoas sendo mortas nas ruas!” seguido por “esses outros manifestantes só queriam cortes de cabelo!”

A realidade, é claro, era muito diferente. A maioria dos que se opõem as quarentenas da COVID está bem ciente de que as quarentenas matam. Elas levam a abuso infantil grave, mais suicídio e mais overdose de drogas. Elas levam ao cancelamento dos cuidados médicos, porque os decretos de quarentena ridiculamente rotularam muitos procedimentos médicos necessários como “eletivos”. As quarentenas deixaram dezenas de milhões de pessoas desempregadas, enquanto privam as pessoas de apoio social de grupos familiares e comunitários. As quarentenas aumentaram o abuso policial e a abordagem de pessoas inocentes que não eram culpadas de nenhum crime, mas deixaram suas casas ou tentavam ganhar a vida.

Os defensores da quarentena, no entanto, declararam que tudo isso “vale a pena” e exigiram que seus oponentes ideológicos calassem a boca e “#ficaemcasa”.

Quarentena para você, mas não para mim

Mas agora a atual onda de protestos e motins deixou claro que as quarentenas e o distanciamento social são todos muito opcionais, desde que os manifestantes sejam favorecidos por uma narrativa de esquerda.

Embora o conflito pró-quarentena/anti-quarentena não possa ser definido por nenhuma divisão entre esquerda e direita, é verdade que os defensores mais entusiasmados das quarentenas do COVID encontram-se no lado esquerdo do espectro.

E é por isso que as coisas agora ficaram tão interessantes. Era fácil para a oposição pró-esquerda se opor aos protestos quando esses protestos eram vistos como um fenômeno de direita. Mas agora que os protestos são de esquerda, então está tudo bem,  exceto um punhado de “preocupações” educadamente expressadas de que os protestos podem espalhar doenças.

A reviravolta da esquerda sobre a sacralidade do distanciamento social terá efeitos significativos no futuro cumprimento das ordens de ficar em casa e nas leis de distanciamento social.

Afinal, como governadores, prefeitos e policiais justificam ataques contínuos a grupos religiosos que procuram se reunir da maneira usual? Se um grupo de pessoas tem permissão para se reunir às centenas para expressar um conjunto de crenças, por que outros grupos não têm a mesma permissão?

Os políticos, sem dúvida, logo inventarão novas razões para essa inconsistência. De fato, já temos um caso. O prefeito de Nova York, Bill DeBlasio, se manifestou imediatamente e disse que as pessoas que protestam contra o racismo podem se reunir. DeBlasio gosta deles. Mas e as reuniões religiosas? DeBlasio não gosta delas, então elas ainda são proibidas.

A autoridade moral dos defensores da quarentena já era

Os tumultos e protestos atuais aceleraram esse tipo de desrespeito ao distanciamento social coagido, embora as coisas já estivessem indo nessa direção.

As quarentenas foram inicialmente impostas com tão pouca resistência, porque a mídia tradicional e os burocratas do governo conseguiram convencer uma parcela considerável do público de que praticamente todo mundo estava em grave perigo de morte por COVID-19. Muitas pessoas acreditaram nesses especialistas.

Em maio, porém, já havia ficado claro que os cenários do dia do juízo final previstos pelos tecnocratas oficiais exageravam bastante a realidade. Certamente, havia muitos grupos vulneráveis ​​e muitos morreram de complicações devido a doenças, assim como muitos morreram durante as pandemias de 1958 e 1969. Mas há uma diferença entre um aumento no número total de mortes e uma praga que destrua a civilização. Os especialistas prometeram o último. Nós tivemos o primeiro. E teríamos obtido o primeiro, mesmo sem quarentenas. As jurisdições que não impuseram quarentenas gerais –mo a Suécia – nunca viram o tipo de morte apocalíptica prevista pelos defensores da quarentena. Sim, eles tiveram mortes em excesso, mas os hospitais da Suécia nunca entraram no “modo de emergência“. Nos EUA, os estados que impuseram quarentenas limitadas por apenas um curto período nunca experimentaram hospitais sobrecarregados e necrotérios transbordando que foram ditos que aconteceriam.

Isso ainda pode acontecer no futuro? Certamente é possível, mas como saberemos? Os defensores da quarentena já estavam tão errados sobre máscaras, taxas de mortalidade, modelos e muito mais, que não temos como saber se devemos acreditar neles na próxima vez em que aparecerem e jurarem “desta vez, a situação é realmente terrível!”

Mas ainda não estamos livres das quarentenas. Neste outono, é provável que políticos e outros defensores da quarentena comecem novamente com a exigência de que sejam aprovadas novas leis exigindo que as pessoas fiquem em casa, fechem seus negócios e, por outro lado, suspendam a vida em nome da interrupção do COVID-19.

Mas é improvável que o público caia na mesma ladainha duas vezes seguidas. Pelo menos não na mesma medida. A reação de muitos provavelmente será “já ouvimos essa música e dançamos antes. Além disso, o distanciamento social não importava muito para esses especialistas durante os distúrbios. Por que devemos acreditar neles agora?”

É uma boa pergunta.

Artigo original aqui.

AdBit.biz

Deixe seu comentário: